foto:

Oceano

Nessa cidade fria, qualquer demonstração de afeto conforta. Qualquer sinal de retorno é mera ousadia.

Não direi que te amo pois isso não soaria bem. Mesmo se fosse verdade. Todas as vezes que veio a mim, sincera e frágil, a procura de um ponto de apoio em meio ao caos, pequenas mudanças aconteceram em mim. E só fui atencioso porque no fundo eu precisava de apoio e, você tem essa essência maluca que consegue cativar as pessoas.

Estou bobo por dentro! A ponto de aceitar esse seu encanto. Preciso ter cuidado! Não posso deixar de ser um porto seguro. Entre fazer o que desejo e cumprir o meu papel, temo ter que escolher guia-la na tormenta. Seria egoismo da minha parte deixa-la atravessar o oceano sozinha. E eu não conseguiria vê-la partir assim. Tomando distancia entre uma onda e outra. Entre um pensamento e um soluçar. Sou melhor com você, pelo menos gosto de pensar que sou.

Estou a duas milhas de te amar de verdade. Uma distância relativamente pequena, comparada ao tamanho dessa bagunça que você criou. O seu mundo é diferente, tenho que admitir. Mas que garota não é assim?
Eu queria poder te fazer olhar mais adiante, te dar todas as respostas. Só que isso não resolveria nada. Assim como as minhas filosofias baratas que só aliviam a ocasião.
É tudo tão frustrante! As vezes quase não consigo suportar quando você me olha, se encolhe quietinha e começa a chorar. Garota, como eu odeio esse mundo! Como eu queria te levar pra longe, te mostrar que existe um mundo a conhecer lá fora!

Vou te abraçar enquanto posso. Garanto que estará segura comigo. Mas pode ser que um dia desses eu me afogue por ai, perdido em pensamento. Esquecendo de como foi boa comigo, e como fui bom pra você. Se isso acontecer, por favor me sacuda com força. Não me deixe pegar no sono. Tenho medo de acordar bem longe daqui.