foto:

Tributo

Me perco em minha busca, me faço silente.
Quando o medo toma conta, a sanidade some da mente.” Guilherme Vinicius

Dedico essa a todos os corações castrados, que encontram sua liberdade em poucos olhares cruzados e muitos drinks amargos.
Amantes da noite, sem causa, apaixonados pelos prazeres da carne e os mistérios da alma.

A quem certa vez caminhou de mãos dadas, mais hoje, prefere ir sozinho pra casa.
A quem usa, abusa, e é abusado. Pelas memórias, pessoas, ou pelo acaso.

E aos que sorriem com ironia, pois sabem bem como terminará mais um dia.
A quem sabe o bastante pra ficar calado. Arquitetos da discórdia e do desacato.

A garota de meia calça escura, saia colada curta, rockeira, pirua.
E a patricinha enrustida, que se acha astuta, mas a noite vira filhinha de papai prostituta.

A quem se esconde sobre a sombra dos mais impuros desejos.
E quem se mostra forte, roteado de poder e medo.

A quem já viu o que não deveria, se orgulhou do que mais temia, e acreditou na própria mentira.
Ao coração corrupto, que mesmo sem desejar, se fez parte nesse intrépido e distinto tributo.

foto:

A noite na cabana de campo

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo? Fernando Pessoa

O clima estava frio. Uma neblina pairava sobre a água negra do lado. Quase nenhum movimento se via, como se a terra estivesse parada por algum tempo.
Aquele suspense todo me fazia transpirar, minhas pernas tremiam e meu coração dava entender que queria sair fora do corpo.
A ansiedade era grande. As palavras iam e vinham, refazendo aquele discurso de dias atrás, treinado de frente ao espelho.
Algo que deveria ser simples como o respirar, se tornara a maior tarefa da minha vida.
Ela estava ha alguns passos de mim, deitada na cama de madeira velha, típica de uma cabana de campo. E eu ali, completamente paralisado, tentando criar coragem e lhe contar um segredo.
Aqueles passos mudariam o destino para sempre, e não seriam fáceis. Qualquer passo em falso poderia acabar com todo o meu plano ou adia-lo por um bom tempo. Os ouvidos do guarda costa estavam atentos, assim como as corujas nos galhos das arvores com a lua cheia em suas costas.
Eu sentia que ela estava acordada, apenas esperando a minha aproximação.
Não sei dizer com certeza como consegui levantar, só sei que quando percebi, já estava me aproximando. A cada passo que eu dava, o medo se mostrava mais presente. E em um instante, a alegria tomou conta de mim, me transbordando de coragem. Me senti capaz de lutar com os mais bravos soldados, só para atravessar aquele pequeno quarto da cabana de campo e contar o que havia ensaiado por muito tempo.

Sentei bem devagar na beirada de sua cama, com medo de assusta-la. À chamei pelo nome bem baixinho duas vezes. Ela virou levemente e deu um leve sorriso meigo, como de uma criança ao acordar. Seus olhos escuros brilhavam como pérolas negras, fazendo com que minha tarefa se tornasse ainda mais difícil.
Respirei fundo e sem mais delongas comecei a falar. Não aquelas palavras que havia ensaiado anteriormente mas as verdades que pulsavam no meu coração.
Após deixar bem claro o quanto a amava e o quanto a respeitava, finalmente consegui fazer a tão esperada pergunta. Aquela que se responde com “Sim” ou com “Não”.
Ela sorrio me fazendo sorrir automaticamente. E ao contrário do que eu esperava, ela não disse nada, e nem precisava. Minha responsa veio em forma de um beijo apaixonado.
Se tivesse tocando alguma coisa, sei que seria “Aways” do Bon Jovi, pois aquele momento significou tanto que será lembrado pra sempre.

Uma vez ouvi em um filme a seguinte frase, “Faça valer a pena”. É isso o que devemos fazer todos os dias. Temos que fazer todos os nossos momentos valerem a pena. Não existe emoção em viver por viver, se apaixonar por apaixonar, ou amar por amar. Temos que fazer ser memorável. Fazer da nossa vida um grande romance. Uma história de princesas e cavaleiros, de castelos e dragões, de fins e recomeços.

Depois que o sol nasce, a única coisa que nos resta, é o sabor daquela fria noite que fizemos ser perfeita.

“Faça valer a pena”
Have a nice day!

foto:

A Noite

A noite é fria de onde vejo. Quase posso ficar imóvel pelo medo de me mover.
A noite machuca. Ela traz com sigo aquele medo de encarar o que está para acontecer.
Ela me força a não tomar atitude. É controversa. Duvidas me dominam.

A noite é má. Faz lembrar do que não quero. faz-me desejar o que não posso ter.
A noite me cega. Vejo coisas que não são reais. A primeira impressão parece ser boa.
Ela é mutante, constante, horripilante, cruel e dura.

A noite é linda. Vem como anjo, calada, e nunca acompanhada.
A noite é poesia. A cada esquina os versos se completam formando um grande soneto luminoso.
Ela é esperança, de vida ou de morte. É mistério, é revelação, é canção.

A noite é donzela. Vem doce, calma e nos faz arrepiar.
A noite é pura. Sussurra palavras claras e apaixonantes e nosso caminho.
Faz-me sentir como um único ser vivente. Tendo todo e tempo e vontade para desfrutá-la.

Mais se um dia não chegar essa noite.
Sei que restará uma única palavra.
A “inocência” de apenas mais uma Noite sozinho.