foto:

Naqueles olhos

E mais uma vez estamos aqui. Dessa vez pensei que seria ela. Como sou ingenuo. Esse meu sexto sentido tem me feito de tolo. E eu que fiquei quieto na minha por um tempo, tentando não me colocar em encrenca, acabei por tomar uma rasteira das grandes. Um amigo me perguntou como eu estava um dias desses no almoço. Na hora eu não soube responder, mas de fato estou abalado. Tudo aconteceu tão rápido que nem tive a chance de entender toda a história. Já nem mais importa, e pelo que me parece, sou inocente. Minha única culpa foi ter olhado naqueles olhos. Eu vi tudo o que não se deve ver. Mas não foi nada ruim, pelo contrário, não teve nada de que não gostei. Talvez esse tenha sido o problema.

Quão doce uma pessoa pode ser? Ela sem dúvida está entre as recordistas. Eu poderia ficar ali durante horas ouvindo ela falar sobre suas bandas preferidas, seus planos para o futuro, ou como tem carinho pela família. Essa garota é especial, acredite em mim. E o fato dessas conversas terem acabado, me deixa completamente entristecido. Quero que voltem, mas não sei como. Talvez eu devesse ir até ela, perguntar como está, como foram os dias, ou se tem ouvido alguma música legal. Mesmo se ela não respondesse nada, eu estaria perto. Perto o suficiente pra sentir o seu calor, e isso já faria o meu dia ser bem melhor.

São pequenas coisas, como um simples olhar, que podem mudar os nossos caminhos. Nos fazer entender que a vida é tão menos complexa como a gente tem o vício de pensar. Basta um sorriso e a vida se torna mais doce. Basta um abraço e a amizade se torna importante. Palavras tem o poder de inspirar e guiar, curar e defender. E é nossa responsabilidade fazer com que as pessoas se sintam especiais. E de fato elas são. Cada uma com seu jeitinho, as mais quietinhas, as mais agitadas. Nenhuma menos importante que a outra. E foi assim que ela me roubou a atenção. Me fez perceber que o mais importante é o que somos lá no fundo, por trás de um olhar, dentro do coração.

foto:

Cortinas

Dedicatória: Para amantes e sonhadores, e para quem nunca sentiu de verdade nem uma coisa nem outra.”J. A. Redmerski

Querido diário,
conheci uma garota e ela é incrível! Inteligente, engraçada, tem um sorriso lindo e o abraço mais gostoso do mundo. Daqueles que você respira fundo e se sente seguro. Ela é complicada, assim como eu. Do tipo de não deixar passar nenhum detalhe. Como o jeito que cozinho o macarrão, ou a forma com que pronuncio as palavras.

Outro dia acordei e ela estava ali, paradinha me olhando. Antes que eu pudesse dizer algo, ela sorriu. Foi como abrir as cortinas de manhãzinha e deixar o sol entrar. Achei linda! Não pude evitar, sorri de volta e a beijei carinhosamente.
Seria essa a definição de felicidade? Ou só um cara querendo do fundo do coração acreditar em alguma coisa? Não importa. Ela se foi e não creio que irá voltar.


-Por que não me ligou quando fui embora? Você me esqueceu completamente.
-Não passou um dia sem que eu não lembra-se de você.
-Então por que simplesmente desapareceu? Por que fez o que era mais fácil?
-Mais fácil? Acha mesmo que está sendo fácil? Fácil foi lembrar de você dia após dia. Fácil foi querer te abraçar só mais uma vez. Fácil foi desejar começar de novo. Mas infelizmente não se trata de lembrar, querer ou desejar. Não se trata de fazer o que é mais fácil. Se trata de esquecer e seguir em frente. E talvez você não se lembre, mas era eu lá sentado, olhando pra você mais linda do que nunca, enquanto me dizia que não poderia mais continuar com aquilo. Eu esperei você terminar aquele belo discurso, te abracei e fui embora. Talvez eu devesse dizer algo. Quem sabe te convencer a ficar. Mas foi sua escolha, e não pode me culpar por respeitar a sua decisão.
-Eu esperava que fizesse algo.
-Eu sei, por isso não fiz. Isso não é um jogo. Não é uma brincadeira. Já estamos grandes demais pra ficar brincando uns com os outros.
-Me desculpa!
-…

Eu fui embora e ela também. Seguimos nossas vidas e, ao contrário das histórias que vemos por ai, não nos encontramos no futuro. Não direi que não nos lamentamos, pode ter acontecido algumas vezes. Mas tudo passa e a vida é curta de mais pra ficarmos presos no “como poderia ter sido”. Não foi, não dessa vez. Mas tudo bem, coisas boas virão! Outras pessoas, outros caminhos, outros sorrisos e outros momentos.

Uma hora você está sozinho e em outra, você conhece alguém que te faz esquecer de tudo. E todas aquelas teorias sobre a vida se tornam apenas recordações de uma época estranha. Por que nada mais e tão importante agora, como olhar pra ela e ganhar um sorriso. Lindo e sincero, como jamais vi antes. E é nesse momento em que tudo se torna possível e você volta a acreditar.

Em resumo,
sinto falta dela.

Eu achava que boa memória era uma dádiva, até descobrir que a vida é basicamente sobre esquecer.” Autor Desconhecido