foto:

O jogo da vida

Escritores são mentirosos. Na maioria das vezes escrevem como gostariam que tivesse sido, não como realmente foi.” Guilherme Vinicius

Querido diário,

Não consigo ser como todo mundo. E não venha com esse papo de que cada pessoa é diferente. Papo furado! Somos todos iguais. Vivemos, Amamos e depois Morremos. Não necessariamente nessa ordem.
Comigo está sendo diferente. Por que não consigo olhar nos olhos dela e me apaixonar? Quanto tempo vai durar esse castigo? Já fui alguém melhor, e você sabe disso.

Houve o tempo em que um olhar mudava tudo. Sinto falta disso. Das coisas verdadeiras, da sinceridade. Temo que a mentira tenha se alastrado e dominado nossas vidas. Estamos cada dia ficando melhores. Sabemos bem como enganar. Fingir um sorriso, despertar interesse. E o mais engraçado é que toda vez que achamos estar usando nossos truques em alguém, estamos sendo vítimas do truque dessa pessoa.
Mentira mutua, a essência dos relacionamentos modernos. Quero ser tolo outra vez!

O mundo mudou, as pessoas mudaram. Um dia você acorda e descobre que se transformou naquilo que tentou evitar todo esse tempo. A frieza é uma doença. Começa com uma pequena dor. Vai crescendo e te destruindo aos poucos. Mortal e silenciosa. Como a noite. Quando você percebe já é tarde. Não que não haja cura. Mas após um tempo infectado, você não vai querer se livrar dela. Será parte de você, e você parte dela. Te acompanhará pelo tempo que for necessário. Até que você descobre, por pura ironia, que está gostando.

Já destruí corações. Não me orgulho, mas confesso que estou ficando bom nisso. Aposto que você também. Com tanta coisa que já lhe escrevi, você vai acabar virando perito! Mas não se engane meu velho amigo, tudo o que você faz volta três vezes pra você. Menos as coisas boas, é claro. Injusto não? Ninguém disse que seria fácil.
Só não se esqueça DELA. Aquela que você já amou. Aquela que te ensinou sobre a verdade, praticando a mentira. Não vou te dizer para lembrar só das coisas boas. Nem para lembrar só das coisas ruins. Uma pode fazer de você um tolo apaixonado. A outra uma fortaleza de gelo. Você deve decidir o que quer pra você. No meu caso, prefiro acreditar na minha versão da história. Olhar pra trás e ver que tudo foi mentira, machuca de mais.

Somos apenas peças de um grande jogo de azar. Rodeados de distrações. Tentando loucamente achar uma saída que nos leve ao paraíso. Paraíso esse que muitas vezes já se mostrou muito simples. Tão simples que chega a ser invisível. Um dia um olhar, outro dia um sorriso, outro dia uma piscada. Sem uma formula certa. Mas está lá, esperando você. Você pode até achar que esta ganhando, mas nada disso é certo. Você pode desistir, mas o mundo te colocará de volta a partida. Não se trata de sorte ou estratégia. E no momento, só uma coisa importa…

É minha vez de jogar os dados!

foto:

Quebra-cabeça

Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.” Fernando Pessoa

Agora entendi tudo. Depois de tanto tempo, tantos anos, tantas noites em claro buscando a verdade. De repente, tudo se completa. Todas as peças do quebra-cabeça simplesmente se encaixam. E a verdade é: Não se deve buscar a verdade. Não se deve correr atras do incompreendível. Devemos viver. Devemos simplesmente fechar os olhos e sentir o vento tocar nosso rosto. Ouvir o som do silêncio confortando o coração.

Refletir, refletir, refletir. O que ganhamos refletindo e criticando todas as coisas erradas? Simplesmente paramos no tempo tentando consertar o mundo e nos perdemos em uma busca sem fim.
Viver é achar nosso objetivo perdido. É descobrir sem querer a resposta para todas as dúvidas. É voar sem ter asas pois a gravidade é só uma questão de ponto de vista.

Entender, entender, entender. Para que entender se para cada segundo, cada pessoa, cada dia, cada hora, o entendimento é diferente. Essa é a matemática da compreensão. Nada é igual em nenhum momento.

“O que fazer?”, “O que fazer?”, “O que fazer?”. Devemos fazer nossa parte. Viver nossa vida. Seguir nossos caminhos. Focar aonde queremos chegar, e não nos preocupar se as pegadas estão na posição correta.

Feche os olhos e voe o mais alto que puder. Os pensamentos são pesados e podem te fazer cair.
E se voar como nos sonhos, a vida te dará mais paisagens do que pode imaginar. E você não terá medo de abrir os olhos, pois ao contrário dos sonhos, será quente, real e você poderá tocar.

Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento. “ Clarice Lispector

foto:

O dia em que me tornei Tom Ludlaw

Passamos boa parte do tempo imaginando como seremos, e após um simples amanhecer, descobrimos no que nos tornamos.

Lembro como se fosse ontem o dia em que resolvi deixar tudo de lado, todas as lembranças, histórias, músicas, emails, fotos, passado e viver o presente. Não da forma “Carpe Diem” como muitos gostam de pelo menos pensar que vivem. Mas de uma forma clara e objetiva.

Creio que tudo começou no dia 29 de agosto de 1988, o ano em que nasci. Eu não fazia ideia de tanta coisa que viria a acontecer comigo. Mesmo lá com meus 10 ou 15 anos de idade, eu imaginava uma vida totalmente diferente pra mim. Talvez eu nem imaginava nada.

Lembro de praticamente todos os fatos marcantes dos principais anos da minha vida. E lembro de umas das coisas que sempre constavam no meu pensamento: eu observava tudo e todos. Tinha meio que uma neura, ficava observando e memorizando todas as ações, os gestos, as palavras e a forma com que eram ditas.

Meio autista, mas tudo bem. kkk
Hoje vejo que todas essas observações e analises aparentemente idiotas me serviram de muita coisa. Hoje posso dizer que nada na minha vida foi inútil ou sem sentido. Tudo me serviu de aprendizado para essa nova faze da minha vida. A fase Ludlaw!

Esses dias me perguntaram o que significa esse negocio de “ludlaw”. É difícil dizer.
Talvez seja um sobrenome, talvez uma pessoa, talvez um livro.
Creio que Ludlaw seja um estilo de vida, uma fase de esclarecimento. Um momento em que você não tem mais medo de agir, de pensar e de fazer. É quando você sabe realmente de onde você veio e para onde você quer chegar. Além disso, ludlaw é um amontoado de experiencias de vida que até então eram idiotas e descartável, mas que hoje você sabe usar essas informações para fazer com que seu dia valha a pena.

Faz mais ou menos seis meses que decidi me tornar Tom Ludlaw. É claro que isso é só uma brincadeira. Não vou mudar meu nome no RG, nem saio por ai falando que me chamo Ludlaw. kkk. Isso nem soaria bem. Me chamariam de insano.
Enfim, hoje consegui alcançar a tão esperada felicidade. Não por que tinha que acontecer, nem por que era o momento certo, mas por que decidir que seria feliz.

Muitas pessoas passam suas vidas esperando que o dia de amanha traga saúde, felicidade, riquezas.
Mas esquecem que tudo isso só vai acontecer quando você decidir que aconteça e correr atrás daquilo que você julga ser importante.

Nada acontece por acaso. Sua vida não vai mudar como em filmes de milagres.
A única coisa que vai fazer com que as coisas mudem pra você é a sua decisão.
Escolha ser feliz, acredite nos seus ideais e após um simples amanhecer, você se tornará “Tom Ludlaw”

Have a nice day!

Gosto de observar as pessoas. Gosto de ver em seus rostos expressões diversas.
Existe raiva, ódio, amor, dor, desejo, os mais variados e complexos sentimentos resumidos em olhares.
Você pode viver com uma pessoa por muito e muito tempo, mais se não observar um olhar, é como se não a conhece-se.
Os olhares podem denunciar, mais também podem nos enganar. Podem mostrar verdade onde é mentira, e mentira onde é verdade.
Ações também nos mostram muito. Quantas pessoas não se espremem por dentro enquanto te demonstram um sorriso? Quantos abraços você já não recebeu de alguém que queria te machucar? Será que o que vemos é realmente o que se sente?
A verdade pertence a quem se cria. Impossível saber o que se passa em cada pessoa. Vivemos nos mascarando para o mundo e o mundo se mascará para nós. Como se dançássemos a ultima valsa ou se estivéssemos jogando o jogo de “esconde e esconde”.
O tempo todo temos tão pouco a mostrar e tanta coisa a esconder.
Parecemos bonecos brincando de faz de conta o tempo todo. A Verdade quase não existe mais.
Isso acontece a muito tempo. A tanto tempo quanto nossa idade.
As pessoas nunca mudam. Seremos sempre bonecos.

Veja: Tash People